Uma radiografia do cenário social, econômico e fiscal de dez municípios paulistas.

Infográficos, podcasts, artigos e o acompanhamento dos esforços de vacinação das cidades. A partir de análises de 55 indicadores de dados públicos.

Diante do atual cenário, é fundamental estimular empresas, iniciativas públicas, o terceiro setor e as pessoas em busca de resiliência e de soluções concretas para os desafios do país.

Estrada para Crescer

No mapa: as 10 cidades paulistas do estudo

Podcasts

Infográficos

Clique nos municípios para ouvir os podcasts, ver os infográficos, ler o conteúdo e acompanhar o contador do número de pessoas já vacinadas em cada município.

Já passamos por:

Indicadores para propor caminhos de retomada do crescimento

O estudo A Estrada para Crescer, parceria da agência Virtù com a organização suprapartidária CLP – Liderança Pública, com o apoio do Grupo CCR, revelou vocações econômicas e vulnerabilidades sociais, financeiras e fiscais de 10 cidades paulistas para assim propor caminhos para a retomada do crescimento em uma ação de conteúdo
multiplataforma.

A pesquisa foi baseada no Ranking de Competitividade do CLP, composto por 55 indicadores, organizados em 12 pilares e 3 dimensões, de 405 municípios brasileiros

A primeira cidade contemplada, Barueri, se destaca pela atração de oportunidades no setor criativo. Com 28 mil empresas ativas, é um forte polo de empreendedorismo.

Também aposta na educação básica: tem uma ampla rede de ensino público para atender aos moradores.

Apesar de apresentar dados ainda desanimadores em transparência de dados públicos.

Osasco, a segunda parada dessa ação, é uma potência econômica, com o segundo maior PIB de São Paulo, o oitavo do país e um crescimento médio de 6% ao ano. Considerada uma das melhores cidades para empreender, segundo o estudo da Endeavor/Enap, e com localização estratégica, abriga empresas reconhecidas pela competência logística como Mercado Livre e DHL.

Sorocaba, a terceira parada dessa ação, é um dos maiores polos industriais de São Paulo, com um setor robusto e diversificado que responde por 32% da riqueza municipal. A cidade conta com PIB de 35 bilhões de reais, crescimento anual de 5% e independência fiscal. Apenas 40% da receita depende do Estado e da União, enquanto a média nacional é de 64%, no Ranking do CLP

Tatuí, a quarta parada dessa ação, conhecida como a “capital da música”, se destaca por ser uma das cidades mais seguras para se viver. Apresenta desempenho acima da média em todos os indicadores de segurança pública do Ranking de Competitividade dos Municípios do CLP. A taxa de mortes por causas indeterminadas é de apenas 1,6 (por 100 mil habitantes), enquanto a média nacional é de 5,3.

Medidas para enfrentar os desafios sociais, assim como melhorias na infraestrutura urbana, beneficiam os dois pilares de Avaré: o agronegócio e o turismo, cuja retomada será essencial após passar a pandemia do novo coronavírus.

O progresso de Itapeva sempre andou junto com investimentos em mobilidade. As constantes melhorias em infraestrutura viária fizeram o município se transformar num polo de escoamento e comercialização da produção agrícola do extremo sul de São Paulo.

Campinas, a sétima parada dessa ação, é um polo de desenvolvimento científico, inovação e empreendedorismo. A cidade abriga a Unicamp, quinta melhor universidade da América Latina, de acordo com o QS World University Rankings, e responsável por 15% da produção científica nacional. O município ocupa a quarta posição de SP e a sétima do país em número de vagas no setor criativo, além de ser considerada a segunda cidade paulista com o maior número de startups, abrigando mais de 140. 

Louveira, a oitava parada dessa estrada, se destaca em inúmeros aspectos: economia, infraestrutura, saúde, educação, saneamento, dentre outros. Com menos de 50 mil habitantes, o município tem o terceiro maior PIB per capita do país, de 229 mil reais por habitante, muito acima da média nacional de 23 mil reais. Nas últimas duas décadas, a taxa de crescimento de Louveira foi de 11% ao ano, o orçamento do município aumentou em 20 vezes e a renda média dos moradores chegou a 3,8 salários mínimos, a 12ª maior de SP.

Bragança Paulista foi eleita a décima cidade mais segura do país pelo Atlas da Violência (2019). Na cidade, a taxa de mortes por causas violentas é de 7,8 por 100 mil habitantes, muito abaixo da média nacional do Ranking do CLP, de 32,9.

Águas da Prata, a décima parada dessa estrada, é um ótimo lugar para aproveitar o turismo ecológico e os esportes radicais praticados na natureza. O verde da cidade e os poderes das águas medicinais atraem turistas de todo canto. Por isso, a preservação ambiental é levada a sério pelos pratenses. Assim como o turismo, os setores agropecuário e industrial geram riqueza para a cidade e se beneficiam da boa malha viária.